L. Bronwstone
CapaCapa
TextosTextos
E-booksE-books
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
ContatoContato
Textos

                                                       
 
PODER SAGRADO
 
 


  Antes de qualquer assunto político e militar eu tinha curiosidade em saber, porque tantas pinturas de anjos pela cidade, Ghous então me disse que aquilo não era somente pinturas, eram agradecimentos, e também não eram anjos, tudo aquilo seria a representação de um arcanjo, ele então começou a me explicar mais sobre a mitologia que sustenta essas terras:
 

“ A muito, muito tempo atrás, um arcanjo chamado Azon, sobrevoava o céu destas terras, ele era o protetor delas, porém em uma de suas rondas ele foi atingido por uma flecha, não uma simples flecha, uma flecha com poderes ocultos, a  flecha atingiu uma de suas asas, o mesmo caiu na floresta, ele conseguiu retirar a flecha da própria asa, porém a energia oculta contida na flecha era maligna de mais, e ele não conseguiu se regenerar, não conseguia voar, não podia retornar ao céus, perdeu todos os dons que havia recebido,  em tamanha tristeza resolveu arrancar  as duas  asas, já que uma só não teria mais serventia para um arcanjo, ao jogar as asas no chão, ela se transformaram em asas de ouro e se petrificaram, brilhavam como o sol, porém ficaram muito pequenas, em torno de vinte centímetros  cada, uma das asas continuou trincada, ele então guardou as asas e partiu sem rumo. 

 Viveu algum período na terra, conheceu os nativos que habitavam , fez amizades  com alguns e conheceu um pouco do lado humano, o tempo passou e a angústia  continuava, ele sabia que não pertencia aquele lugar, resolveu então deixar as asas com as tribos que ele conheceu,  a primeira asa deixou com as tribos do norte e  outra com as tribos do sul, ele não poderia deixar as duas juntas com pessoas comuns, as duas quando se unem trazem poderes devastadores.

  Após ele deixar as asas com as tribos ele com tamanha angústia se encostou em uma árvore e tirou a própria vida, o sangue virou ouro, tudo que o sangue tocou se transformou em ouro, a árvore que ele morreu se tornou ouro.  Deste momento em diante as asas de Azon passou de geração em geração, dinastia a dinastia, mesmo separadas elas tem grande poderes.”

 


   Ao terminar de explicar ele disse que Azon era venerado por todas as tribos tanto do norte como do sul, inclusive a cidade comandada por ele recebeu o nome do arcanjo. Pensei que fosse somente uma mitologia até que um dos nativos veio com uma caixa para dentro da sala de reuniões, o nativo entregou a caixa para Ghous, o mesmo abriu a caixa, e um brilho dourado surgiu de dentro da caixa, eu não estava acreditando, era uma das asas de Azon,  o brilho era imenso, infelizmente Ghous só tinha uma das asas, aquela que não foi ferida, a outra provavelmente estaria para o norte.

  Após me mostrar tamanha grandeza, o nativo pegou a caixa novamente e levou para algum lugar desconhecido por mim, depois daquele espetáculo voltamos ao assunto principal o norte...
L Brownstone
Enviado por L Brownstone em 20/08/2017
Alterado em 10/11/2017


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras